19 Julho 2019

Estaremos preparados para as exigências do recrutamento em 2019?

Os profissionais de recursos humanos, responsáveis pelo recrutamento de novos talentos enfrentam, hoje em dia, um sem número de desafios que não passam apenas pelo facto de não existirem, de uma forma transversal, talentos suficientes com as qualificações necessárias para as vagas existentes, mas também por questões relacionadas com a integração de diferentes gerações nas organizações.

As exigências desta atividade podem ser superadas de diversas formas, inclusive através da adoção de soluções tecnológicas capazes de transformar a forma como estes profissionais trabalham.

Escassez de talentos e desafios geracionais

Num mundo cada vez mais tecnológico e virtual, onde tudo está interligado, as organizações necessitam de contratar perfis altamente especializados para integrar as suas estruturas, e, em setores como o das tecnologias de informação, para além da escassez de talentos especializados, há dificuldades na atração e retenção de talentos devido a uma enorme competitividade do mercado. Por outro lado, temos a realidade da integração de diferentes gerações num mesmo espaço de trabalho.

Tanto num caso, como no outro, falamos de situações conjunturais decorrentes de questões socioeconómicas e culturais cuja solução deverá passar por uma abordagem enquanto sociedade, não esquecendo os desafios impostos pela automação e toda a transformação digital ocorrida nos últimos anos, que já contemplam uma nova forma de trabalhar para o recrutamento.

Neste sentido, ao longo dos próximos anos, será necessário um ajustamento nos planos curriculares para melhor preparar os futuros profissionais. Ao nível das organizações, também será necessário compreender quais as melhores e mais eficazes práticas e políticas de recursos humanos que privilegiem o desenvolvimento de novas competências, bem como criar ambientes de trabalho a pensar no bem-estar dos colaboradores.

A tecnologia ao serviço do recrutamento

A história do recrutamento não será escrita apenas neste tom de inevitável adaptação dos muitos postos de trabalho. Além deste fator, será de extrema relevância olhar com detalhe para o trabalho específico do recrutador, para os seus desafios e para o tipo de soluções disponíveis que poderão revolucionar a forma como esta tarefa é levada a cabo.

Também a transformação digital começa a ter um peso significativo na forma como é desempenhada a função do recrutador, que tem assistido a evoluções nunca vistas influenciadas pela adoção de soluções que permitem gerir e trabalhar grandes quantidades de dados de forma rápida e com um elevado grau de sucesso. Assistimos hoje a soluções que fazem toda a análise do processo de recrutamento da empresa, como por exemplo o número de candidatos, tempo e custo médio de contratação, taxa de sucesso por entrevistador, entre outros fatores relevantes. Por outro lado, estas soluções fazem também uma análise qualitativa e quantitativa do employee engagement, o que permite melhor compreender a relação entre os colaboradores e a organização, podendo assim desenvolver as melhores estratégias de retenção.

Tendo em consideração desafios tão atuais no contexto do recrutamento como a defesa da diversidade e o combate aos preconceitos etários, raciais, de género ou orientação sexual, será quase impossível de descartar a possibilidade de termos ao nosso dispor uma ferramenta tecnológica que permite o processamento de elevadas quantidades de dados provenientes dos historiais dos muitos candidatos e apresentar-nos as melhores alternativas, independentemente das suas características intrínsecas ao profissionalismo e ao cumprimento dos objetivos traçados.

Assim, a evolução tecnológica é também decisiva para o recrutador, que assumirá uma maior preponderância na definição da identidade da própria empresa com escolhas cada vez mais acertadas e enquadradas com o espírito da própria marca, transpondo a ideia de que a marca externa reflete a cultura interna da organização.

Artigo de opinião publicado na Líder – 18 de julho, 2019

 José Oliveira BI4ALL
  José Oliveira         
        CEO