17 Maio 2017

Replicar uma Matriz de Competências em Power BI

Face a uma lacuna de conhecimento sobre os colaboradores e as suas competências, foi desenvolvido um projeto interno utilizando as tecnologias da Microsoft, neste caso, Visual Studio e PowerBI. Este artigo procura demonstrar como esse desenvolvimento foi feito.

Salienta-se que o ETL focou-se sobretudo na transformação de um ficheiro Excel, e que a visualização dos dashboards procurou acima de tudo, ser clara, amigável, e com capacidade de criar melhores pesquisas.

1.     Processo de ETL

Para que o ficheiro Excel se transforme num dashboard PowerBI, foi necessário recorrer a um processo de ETL para extrair, tratar e carregar os dados num data warehouse. No decorrer deste artigo, serão explicadas com maior detalhe as fases existentes neste processo de ETL.

 

 

1.1.1.     Extração de dados

Para que seja possível efetuar a extração de dados do Excel para uma base de dados (ODS) com sucesso, é utilizado um script em vez de uma Excel source, visto que uma matriz de competências se encontra constantemente em alterações. Uma Excel source não possui dinamismo, pelo que não consegue acompanhar tal evolução, no entanto, a utilização de um script torna o processo mais dinâmico, permitindo carregar diferentes tipos de matriz com diferentes números de competências.

A utilização de um foreach loop container possibilita o carregamento de vários ficheiros ao mesmo tempo, permitindo uma visualização da evolução dos colaboradores ao longo do tempo.

De seguida, é apresentado o processo de extração de dados em vigor:

 

 

 

1.1.2.     Tranformação de dados

Após o carregamento dos dados para a ODS, foi necessário proceder-se à transformação dos mesmos, de modo a ficarem na forma pretendida. Neste caso, foi necessário criar métricas e novos campos para responder às necessidades detetadas. Foi necessário também alterar os datatypes (por default vêm todos como varchar (255)) e transpor a visualização de coluna/linha das competências dos colaboradores –  em vez de ficarem em colunas como vem por defeito no Excel.

 

1.1.3.     Loading de dados

Após a transformação dos dados, surge o carregamento dos mesmos para um data warehouse, o que por sua vez, irá conter toda a informação de uma forma mais limpa e menos redundante.

No carregamento dos dados para o data warehouse há que existir um certo cuidado e realizar uma validação dos dados para que não existam duplicados, isto é, caso exista alguma alteração dos dados, a última alteração é que é carregada. Esta verificação é feita utilizando um script que cria uma chave para cada registo: se o registo sofrer alterações, essa chave muda. Deste modo, consegue-se comparar a chave antiga com a nova e carrega-se dados novos apenas quando essa chave for diferente.

 

 

 

1.1.4.     Master

Após o carregamento de dados, é boa prática utilizar um job para correr todo o processo de ETL. Para isso, foi necessário criar um package master (que inclui todos os packages do projeto) para correr todo o processo sempre que necessário.

 

 

2.  Power BI

Após o tratamento de dados e de já existir um Data Warehouse com os mesmos, é possível avançar para a sua visualização. O PowerBI foi a ferramenta escolhida, não só pela sua simplicidade, mas principalmente devido à sua performance a nível visual e dinamismo.

Para responder às necessidades detetadas, foram criados 4 dashboards diferentes.

2.1.1.     Dashboard Geral

Este dashboard possibilita a análise geral das competências de todos os colaboradores. A empresa, deste modo, consegue ter conhecimento sobre as competências mais fortes e de quais é que deve melhorar. Também é possível ter a perceção das pessoas que têm mais capacidades numa determinada competência.

 

 

 

2.1.2.     Dashboard Colaborador

Este dashboard, como o próprio nome indica, tem como foco principal o colaborador. Existe uma visualização das tecnologias que o mesmo está apto e de quais têm mais dificuldades. É possível também saber o nível do colaborador face à empresa como um todo, isto é, se está acima ou abaixo da média.

Sendo a Microsoft e o Cognos duas das ferramentas core na BI4ALL, o dashboard possibilita ainda verificar em qual delas o colaborador se destaca.

 

 

2.1.3.     Dashboard Competências

O dashboard competências facilita imenso o processo de pesquisa de competências. Para ter conhecimento dos colaboradores que possuem uma determinada competência, basta pesquisar pela mesma.

 

 

Dashboard Comparação 2015 vs 2016

O último dashboard permite não só conhecer a evolução dos colaboradores, como também ter a noção de quais tecnologias utilizam atualmente no seu trabalho (visto que essas podem diferir de um ano para o outro).

 

 

Na criação destes dashboards foram utilizadas algumas funções em DAX. Recorreu-se também à comunidade de Power BIhttps://app.powerbi.com/visuals/ para descarregar algumas visualizações.

 

 
 .
 .
 .
 .
 .
 .
     Hugo Parreira
       Consultant