22 Março 2016

BI4ALL at Business – Banca e Seguros

O setor da Banca e Seguros lida com grandes volumes de informação, muitos deles produzidos pelas suas diferentes aplicações de negócios o que coloca desafios de diversas ordens, desde regulatórios e de conformidade, governação, crescentes expectativas por parte dos clientes na relação comercial. Para conseguir responder a todos estes desafios, é fundamental uma gestão rápida e eficiente de todos estes dados, proporcionando a informação de negócio essencial para a operação e garantindo a segurança e confiança dos seus clientes, parceiros e reguladores. Quando essa informação está assente em dezenas de folhas de cálculo relacionadas entre si e dependentes de extração, cálculo, revisão e correção de dados torna-se num esforço organizacional imensurável.

Para os gestores neste setor, as questões que enfrentam são claras – “Como consigo melhorar a eficiência da minha organização? Como a posso tornar mais competitiva de modo a vencer a minha concorrência?”

Este é o espaço core de operação para as soluções de Business Intelligence (BI), as quais assumem um papel essencial, pois permitem fundamentar as decisões estratégicas de qualquer organização, independentemente da sua área de atuação ou complexidade da operação. Uma solução eficiente proporciona diferentes níveis de análise sobre a gestão e a operação da empresa que permitem a tomada de decisões de forma mais informada, transformando dados em informação relevante sobre todos os aspetos do negócio.

O sector financeiro, caracterizado por deter uma concorrência agressiva, encara as iniciativas de BI como uma potencial vantagem para a obtenção de ganhos de eficiência e maior competitividade. Em primeiro lugar, porque irá permitir a análise de informação financeira, focando-se nos custos da operação e nas análises de rentabilidade, possibilitando assim ao gestor eliminar os custos supérfluos e alinhar as decisões de investimento com prioridades estratégicas, tornando a empresa muito mais eficiente. Por outro lado, o facto de o BI permitir o cruzamento de informação interna e externa, como por exemplo, os estudos de mercado, análises de sentimento provenientes de social media e barómetros, irá possibilitar ao mercado percepcionar a organização de forma objetiva como winner ou loser.

O Roadmap de Médio Prazo é igualmente outro fator a se ter em consideração. No início de uma iniciativa de BI existem sempre dois riscos: enveredar por um projeto megalómano, de duração incerta e riscos imprevisíveis; ou, pelo contrário, apostar numa lógica de quick-wins, mas sem um fio condutor. De referir que as iniciativas de maior sucesso começaram com a definição de uma arquitetura dinâmica e escalável, avançando-se depois em incrementos que a foram enriquecendo. Com o decorrer desta iniciativa o sucesso dos módulos implementados serviu de motor de buy-in e acelerou as iterações subsequentes.

O sucesso de uma iniciativa de BI depende de um conjunto de fatores, do alinhamento entre o negócio e a tecnologia, do suporte executivo aos processos definidos e, por último a parceria com os fornecedores. Numa primeira fase, é fundamental que os processos de negócio estejam devidamente enquadrados nas soluções tecnológicas identificadas. Em seguida, o Suporte Executivo assegura que as iniciativas de BI consigam as mudanças nos processos de negócio da organização que se propõem efetuar, com ganhos importantes de eficiência, produtividade e competitividade. Este benefício é contudo muitas vezes mitigado por resistências à mudança e pela vontade de manter o status quo. Para gerir de forma eficaz este risco, a iniciativa deverá contar com forte suporte da liderança da organização, de forma a apoiar a implementação dos benefícios potenciais. Por último, a Parceria com os fornecedores é fundamental numa altura em que existem inúmeras soluções de BI disponíveis no mercado. Ou seja, a seleção passa pela confiança, reconhecimento no mercado, e competência inquestionável do fornecedor selecionado.

Ao deter todas estas competências, a BI4ALL é o seu parceiro na monitorização da informação financeira e operacional em tempo real.

.

.

.

.

      Pedro Martins
           Manager
Business Development